CAROLINA BOTURA (1982, Botucatu - SP)


Carolina Botura vive e trabalha em Belo Horizonte, MG. É artista plástica, performer e poeta. Graduada em Pintura e Escultura pela Escola Guignard – UEMG.Trabalha com cruzamento e prolongamento de linguagens como desenho, pintura, escultura, instalação, vídeo, poesia, performance, música e cerâmica. Suas investigações tocam o movimento, a transformação, origem, caos, perda, animalidade, sexualidade, magia, amor e morte.
Participou de mostras e residências no Brasil e no exterior tais como Festival Internacional de Música Experimental de São Paulo – FIME, Outra Presença [Museu de Arte da Pampulha], Residência Co-habitar [Valparaíso-CHI], Residência Línea Imaginária [Quito-ECU], Residente da MIP – Manifesto Internacional de Performance [Sesc Palladium], Residente da RAM [Residência Artística da Mutuca-MG] Realizou as individuais Casa Para Um Animal - BDMG Cultural,  ∆ e Super.fície - Espaço Lava (MG) e As Coisas Quando Não São Mais Elas – Memorial Minas Gerais Vale. Suas obras foram expostas nas ocupações #GAL002 em Outubro em Belo Horizonte e na Feira Parte em São Paulo, em Novembro de 2018.  Ex Tre Ma – Residência artística e festival de punk, noise, metal e experimental [A fábrica-MG], Vespa Lo.cura [Galeria de arte do Sesiminas], Salão Nacional de Artes da Colômbia [Bogotá -Co], II Mostra Feminista de Arte e Resistência [Belo Horizonte - MG], Ruído Gesto [Festival de performance e vídeo – Porto Alegre-RS], Festival Instantâneo de performance urgente – Quarta função [São Paulo - SP], I e II Festival Internacional de Performance, vídeo e som Vespa: f(x)1 e 2 [Ed Maleta, FUNARTE OCUPADA e Galpão Paraíso], Perpendicular faz curadoria, encontro entre mulheres cisperformers [Espaço Idea], Mostra de rua de cine feminista, II Prêmio Camelo de Arte Contemporânea, , Perpendicular Bienal [31a Bienal de São Paulo], Festival de Performance e vídeo performance [Sesc Campinas - SP], Ocupação Desenho- Premiados mostra interna [JACA – Centro de arte contemporanea] dentre outras.